Allan, Bruno, Norma e Ferraço-Cachoeiro

Movimentos de Allan e Bruno devem forçar candidatura de Norma ou Ferraço em Cachoeiro

Artigos

Por Wanderson Amorim

Os movimentos dos deputados estaduais Allan Ferreira (Podemos) e Dr. Bruno Resende (União Brasil), ambos ainda da base do governador Renato Casagrande (PSB), em apoio ao nome de Diego Libardi (Republicanos) para prefeito de Cachoeiro de Itapemirim, em 2024, pode forçar uma candidatura do deputado estadual Theodorico Ferraço ou de sua esposa, a ex-deputada federal Norma Ayub, ambos do PP.

A última pesquisa eleitoral divulgada na cidade e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostrava Allan Ferreira na frente numa possível disputa, mas empatado tecnicamente com Diego. Ambos com ampla vantagem em relação aos nomes de Léo Camargo (PL) e Carlos Casteglione (PT), empatados tecnicamente em terceiro lugar em cenário estimulado.

Havia uma expectativa no mercado político de que Allan e Diego seguissem caminhos opostos, já que o governador sempre deixou claro não apoiar o nome de Libardi para a disputa. Mas isso não aconteceu.

Allan poderia ser o “plano b” do Palácio Anchieta no caso da secretária de obras, Lorena Vasques (PSB), apoiada pelo prefeito Victor Coelho (PSB), não crescer nas pesquisas até julho, quando acontece as convenções partidárias. Hoje, Lorena é citada de forma bem tímida nas pesquisas.

Com Allan e Dr. Bruno indo contra os interesses do governador Renato Casagrande, o mercado político já aposta numa chance real de Ferraço ou Norma entrarem na disputa, passando a ser o plano b do Palácio Anchieta.

Antes da decisão dos deputados anunciarem o apoio a Diego, muitos afirmavam que Ferraço estaria blefando ao colocar seu nome e o de Norma à disposição de Cachoeiro para o pleito de outubro. Após esta sexta-feira (10) turbulenta na política da “Capital Secreta” as movimentações no tabuleiro da política começam a mudar.

O deputado Theodorico, que tem 86 anos, afirma ter o desejo que sua esposa Norma Ayub concorra em Cachoeiro. Ela, até então, relutava contra a possibilidade de participar do pleito. Mas “para o bem de Cachoeiro”, como comentam nos bastidores, e para atender os anseios do Palácio Anchieta, a ex-deputada poderia aceitar a missão.

Até então, os planos do ex-prefeito era se aposentar em 2026 e lançar sua esposa como candidata a deputada estadual, com vitória praticamente dada como certa.

Eleições 2026 passam por 2024

O que pesará na decisão de Ferraço e Norma em torno do pleito desse ano em Cachoeiro são as eleições de 2026, quando Ricardo Ferraço (MDB) pretende disputar o cargo de governador. Casagrande também está de olho no Senado, que abrirá duas vagas para os políticos capixabas.

Cachoeiro é o maior colégio eleitoral fora da Grande Vitória e também reduto da família Ferraço. A vitória de Diego poderia atrapalhar muito a campanha de Ricardo e Casagrande na “Capital Secreta”.

É o grande sonho de Ferração ver seu filho governador, o cargo mais alto de um político em solo capixaba.

Lorena vice?   

Caso o nome de Ferraço ou Norma se confirme como plano b do Palácio Anchieta em Cachoeiro, na hipótese de Lorena não crescer nas pesquisas, a secretária de Obras poderia, com o PSB, compor na chapa majoritária como vice, tornando a chapa forte e bem competitiva.

O bloco em torno desses nomes poderia reunir o PP, MDB, NOVO, PSDB, PSB, PDT e agora o Podemos, do deputado Allan Ferreira, já que o presidente da sigla, o deputado federal Gilson Daniel, manifestou ir contra Diego e a favor dos interesses de Casagrande em Cachoeiro.

Teria assim o grupo de Victor Coelho, Ferraço e Casagrande uma coligação com ao menos 12 minutos diários na tv e rádio, além de aproximadamente 27 inserções diárias de 30 segundo.

A coligação teria também a seu favor as máquinas municipal e estadual e até mesmo o apoio empresarial, já que é o desejo dos empresários que Ferraço ou Norma participem do pleito de outubro.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *