30/05/2022 às 19h59min - Atualizada em 30/05/2022 às 19h59min

Bienal Rubem Braga se reinventa e se fortalece com formato híbrido da 8ª edição em Cachoeiro

A Bienal Rubem Braga é realizada pela Prefeitura, por meio da Semcult

Planejado em um período de restrições sociais, impostas pela pandemia de Covid-19, o evento adotou uma programação híbrida, com atividades on-line e presenciais, formato já utilizado por diversas outras feiras do gênero no país, o que democratiza a participação de convidados e espectadores, que podem acompanhar as atrações a distância.

Com o tema “Literatura e as narrativas de vida: governança ambiental e sustentabilidade para um futuro inteligente”, a edição 2022 da Bienal Rubem Braga trouxe discussões acerca do papel da literatura como forma de expressão e reflexão sobre questões ambientais na sociedade pós-moderna.

Durante a conferência de abertura, realizada na última terça-feira (24), o escritor Antônio Torres, membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), participou da primeira mesa de debates do evento e compartilhou sua experiência como autor de diversos romances, reconhecidos internacionalmente.

Ao longo da realização da Bienal, cerca de 2,3 mil pessoas assistiram às mais de 20 horas de atividades transmitidas pelo canal oficial da Semcult no YouTube (youtube.com/semcultcachoeiro), que contaram com a participação de grandes nomes da literatura brasileira durante as mesas de debates literários. As atrações foram gravadas e podem ser assistidas, a qualquer momento, no canal.

“Estar na Bienal Rubem Braga foi maravilhoso. Falar sobre literatura de romance para uma garotada antenada e interessada em cultura foi muito bacana. É muito importante trazer essas novas gerações para esses espaços de debate e reflexão, ainda mais depois de passarmos por esse período tão difícil da pandemia. Que venham as próximas edições”, comentou a escritora Isa Colli, que participou da Bienal na última quinta-feira (26), diretamente de Bruxelas, capital da Bélgica, onde reside, atualmente.

Nas mesas de lançamento de livros, foram 14 títulos divulgados, de autores de diversas regiões do país, que apresentaram, aos espectadores, obras dos mais variados gêneros, como romance, crônica e poesia.

“Estou muito feliz e honrado em apresentar a minha obra durante a Bienal Rubem Braga. É um grande privilégio participar desse evento. Gostaria de agradecer aos organizadores dessa bela festa literária”, afirmou Josué Nascimento, que veio de São Paulo para lançar seu livro “Humanidade universal”.

“Com a programação híbrida, foi possível que autores, de diversas partes do Brasil e do mundo participassem da Bienal, trocando experiências com um público apaixonado por literatura. É um formato já utilizado por grandes eventos culturais e que veio para ficar. Nas próximas edições, pretendemos voltar com todas as atividades presenciais, sem abrir mão da participação on-line dos convidados e da transmissão em tempo real pela internet, já que isso amplia as possibilidades e potencializa o alcance do evento, que pode ser assistido de qualquer lugar”, afirmou a secretária municipal de Cultura de Cachoeiro, Fernanda Martins. 

“A Bienal Rubem Braga é um dos maiores eventos de Cachoeiro, uma festa que exalta a riqueza cultural de nosso município, terra de Rubem Braga e tantos outros gênios da literatura. Agradecemos a todos que fizeram esse evento acontecer. Foi um esforço coletivo de pessoas apaixonadas pela cultura cachoeirense”, destacou o prefeito de Cachoeiro, Victor Coelho. 

Atividades em escolas de Cachoeiro

A 8ª Bienal Rubem Braga contou com atrações itinerantes em escolas das redes municipal, estadual e particular de Cachoeiro. Ao todo, mais de 10 mil estudantes de 60 unidades de ensino participaram da programação, que incluiu contação de histórias, apresentação de cosplayers (artistas fantasiados de personagens fictícios) e oficinas artísticas voltadas para a educação ambiental. 

As atividades foram realizadas pela Semcult em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Seme).

“O formato de atividades itinerantes da Bienal nas escolas de Cachoeiro foi um sucesso. Nossos alunos, professores e gestores participaram dessa bela festa literária e aprovaram a experiência. Em cada sorriso, em cada olhar de fascínio, os estudantes puderam, por meio das ações desenvolvidas, vivenciar os prazeres que a leitura pode proporcionar. Avaliamos, junto à Secretaria de Cultura e Turismo, a continuidade desse formato de atividades escolares para a edição 2024 da Bienal”, destacou a secretária municipal de Educação de Cachoeiro, Cristina Lens.


Artistas locais que desenvolveram atrações ao longo da Bienal também ficaram satisfeitos com o evento.

“A Bienal Rubem Braga, além de uma bela homenagem ao nosso grande cronista, sempre trouxe oportunidade de trabalho e visibilidade aos artistas da cidade. A edição deste ano não foi diferente e, apesar do formato híbrido, parte presencial, parte remota, não deixou de levar arte e cultura a todos os cantos da cidade e seus distritos. Minhas oficinas de artes plásticas, por exemplo, foram feitas em várias escolas públicas. Nunca me esquecerei do sorriso das crianças ao descobrirem que estavam prestes a fazer arte”, afirmou o oficineiro Gabriel Pontes.

Exposições em centros culturais

A edição 2022 da Bienal Rubem Braga também movimentou centros culturais do município. Casa dos Braga, Casa da Memória e Museu Ferroviário receberam exposições especiais para exaltar o legado do grande cronista cachoeirense, homenageado do evento. Os locais também receberam grupos participantes de um city tour afetivo, que percorreu pontos importantes da cidade que marcaram a vida de Rubem.

“Foi uma experiência incrível conhecer a história de Rubem Braga, de sua família e de Cachoeiro. É uma experiência que vai ficar guardada pra sempre comigo”, comentou a estudante do distrito de Pacotuba, Júlia Marques, que participou do city tour afetivo com sua escola.

60 anos da Academia Cachoeirense de Letras

No último sábado (28), a Academia Cachoeirense de Letra (ACL) comemorou seus 60 anos, em sessão especial, durante a 8ª Bienal Rubem Braga.

Realizada, presencialmente, no auditório da Seme, o evento também foi transmitido pelo YouTube e teve como tema “Literatura e as narrativas de 60 anos da Academia Cachoeirense de Letras”.

Durante a solenidade, que contou com discursos dos acadêmicos fundadores Paulo de Tarso Medeiros, Bruno Torres Paraíso, Solimar Soares e Evandro Moreira, foi realizada uma homenagem ao paleógrafo João Eurípedes Franklin Leal, que recebeu o título de Membro Honorário da Academia. 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://noticiasdoes.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Envie sua sugestão de pauta pelo Whatsapp