21/07/2022 às 16h40min - Atualizada em 22/07/2022 às 00h00min

Nova vacina contra o câncer traz boas perspectivas, afirma oncologista

O médico Ramon de Mello explica que a técnica demanda tratamento personalizado

SALA DA NOTÍCIA Emilly Santos
Divulgação
Um novo estudo com vacinas trouxe resultados promissores para o combate ao câncer. Em junho, pesquisadores apresentaram no Congresso Americano de Oncologia Clínica o resultado de pesquisas com o medicamento aplicado como tratamento complementar para tumores oncológicos de cabeça e pescoço. Entre os oito primeiros pacientes vacinados, nenhum apresentou a volta da doença. Porém, entre aqueles que receberam o tratamento tradicional, o câncer voltou em dois de oito pacientes.

“A técnica vem sendo aplicada com sucesso e o tratamento é personalizado”, explica Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica do doutorado em medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e PhD em oncologia pela Universidade do Porto, Portugal.

Esse tratamento tem como propósito fazer com que o sistema imunológico combata as células tumorais do organismo. “É preciso fazer uma biópsia do tumor e o sequenciamento do genoma em laboratório. O próximo passo é introduzir os fragmentos de RNA dessas mutações no vírus. Em seguida, esse material é injetado no paciente”, explica o pesquisador.

O sucesso do tratamento se dá quando o sistema imunológico do paciente reconhece e produz uma resposta contra a célula desse tumor, impedindo o seu desenvolvimento no organismo. “O desafio é ampliar a sua aplicação, já que cada célula dispõe de características próprias, o que demanda muito estudo ainda”, esclarece Ramon de Mello.

Outras pesquisas apontam os resultados positivos das terapias com vacinas contra o câncer de mama avançado. Um dos estudos mostra que, em 15 anos, a taxa de recorrência dos tumores entre as pacientes vacinadas foi de 12,5%, contra 60% daquelas que receberam o tratamento convencional e uma vacina placebo. “Uma outra pesquisa também concluiu que pacientes vacinadas tiveram, em cinco anos, uma sobrevida livre da doença de 14 pontos percentuais maior do que aquelas que receberam placebo”, detalha o pesquisador.

Sobre Ramon Andrade de Mello
Pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra), Ramon Andrade de Mello tem doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).
 
O médico tem título de especialista em Oncologia Clínica, Ministério da Saúde de Portugal e Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). Além disso, Ramon tem título de Fellow of the American College of Physician (EUA) e é Coordenador Nacional de Oncologia Clínica da Sociedade Brasileira de Cancerologia, membro da Royal Society of Medicine, London, UK, do Comitê Educacional de Tumores Gastrointestinal (ESMO GI Faculty) da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (European Society for Medical Oncology – ESMO), Membro do Conselho Consultivo (Advisory Board Member) da Escola Europeia de Oncologia (European School of Oncology – ESO) e ex-membro do Comitê Educacional de Tumores do Gastrointestinal Alto (mandato 2016-2019) da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (American Society of Clinical Oncology – ASCO). 
 
Dr. Ramon de Mello é oncologista do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e do Centro de Diagnóstico da Unimed, em Bauru, SP.
 
Confira mais informações sobre o tema no site

Informações para a imprensa:
Ex-Libris Comunicação Integrada - (11) 3266-6088
Edmir Nogueira – edmir@libris.com.br – (11) 98937-3503  
Marco Berringer – marcopaulo@libris.com.br 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://noticiasdoes.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Envie sua sugestão de pauta pelo Whatsapp