11/07/2022 às 13h20min - Atualizada em 11/07/2022 às 14h01min

Entre a insatisfação e o medo

Guilherme Frizzera (*)

SALA DA NOTÍCIA NQM
https://www.uninter.com/
Divulgação
Atualmente, ao se analisar o ambiente político e eleitoral pelo mundo afora, multiplicam-se as análises que apontam para uma polarização entre radicais. Haveria, de um lado, os partidos e candidaturas de esquerda com uma agenda política e econômica que não seriam condizentes com as demandas e com as melhores práticas da economia liberal, rumando para um eminente comunismo. Já no outro polo, a direita seria responsável por uma pauta conservadora nos costumes, antidemocrática e profundamente reacionária.

Como a natureza humana tenta rotular os indivíduos para facilitar o entendimento do comportamento da sociedade, a polarização política representaria a fotografia do momento político e social de um país, colaborando na construção de análises conjunturais e na previsão do que esperar do futuro em caso de vitória da esquerda ou da direita. Mas e se mudássemos um pouco o foco e tentássemos ir além da simplificação entre “esquerda x direita”? E se a verdadeira divisão na sociedade for entre a insatisfação versus medo?

Nas recentes eleições que ocorreram na América do Sul, algumas conclusões são importantes para compreender essa cisão. De um lado, parte da sociedade de países, como o Chile e o Peru, demonstraram um elevado grau de insatisfação com a realidade econômica e social de seus países. Aumento de preços no transporte público e combustíveis, a dificuldade do acesso ao ensino superior, aposentadorias com prazos cada vez mais amplos e com pensões cada vez menores, e o aumento considerável na desigualdade de renda entre os mais ricos para com as classes média e baixa. Tornou-se caro viver na América do Sul e a dificuldade em obter apenas o que é necessário aumentou significativamente. Como resultado da insatisfação, as eleições resultaram em novas lideranças políticas eleitas, com novos partidos e com propostas mais insinuantes, como a mudança nas constituições, propostas de adoção de políticas mais agressivas de distribuição de renda e ampliação aos serviços básicos.

Essas novas lideranças e as suas propostas mais agressivas de políticas públicas geram nas classes mais elitizadas o medo. Este sentimento está atrelado à possibilidade de alterações profundas nas estruturas aos quais estão acostumadas e que lhe garantem a estabilidade necessária na manutenção de seus status quo societal. Para este grupo, as mudanças, se necessárias, devem ocorrer sem criar fissuras que possam colocar em risco os seus privilégios.

Deste modo, a parte da sociedade ligada ao medo resiste às candidaturas que busquem alterar em profundidade às estruturas institucionais aos quais estão acostumadas, levando esse grupo a abraçar os partidos mais tradicionais e a candidaturas vistas como responsáveis na agenda econômica. Em outros casos, se houver uma disputa política acirrada no campo dos costumes, este grupo endossa candidaturas que transmitam segurança de que seus valores serão conservados, tornando os demais aspectos, como o compromisso com a democracia e a agenda econômica, secundários na hora de suas escolhas eleitorais.


Portanto, compreender que a disputa não é necessariamente entre esquerda e direita, mas entre a insatisfação e o medo, pode ser um ajuste de foco primordial para a tentativa de apaziguar os ânimos das sociedades sul-americanas. O resultado das eleições no Chile, Peru e Colômbia demonstram que a cisão societal está profundamente enraizada e os governos enfrentam instabilidades e cobranças cada vez maiores. E no Brasil, estamos preparados para debater a sério essa cisão entre a insatisfação e medo? A ver na disputa eleitoral que se avizinha.

*Guilherme Frizzera é doutor em Relações Internacionais e Coordenador do Bacharelado em Relações Internacionais da Uninter.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://noticiasdoes.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Envie sua sugestão de pauta pelo Whatsapp